O Andante – Curso rápido de introdução

Nov 27 2013

O Andante – Curso rápido de introdução

4 - Truques e tricas - Andante Azul

Depois de me ter dedicado, em publicações anteriores, a introduzir o sistema Andante, o zonamento e os vários tipos de títulos, dedico hoje e amanhã a minha atenção aos truques e tricas do sistema Andante. Um sistema complexo, com vicissitudes e qualidades, que descreverei de seguida.

  • O tempo e as zonas

Como já descrito anteriormente, é possível realizar várias viagens com o mesmo título de transporte. Para isso, basta respeitar o limite de zonas e o tempo disponível para cada título:

  Duração máxima
Z2 1h00m
Z3 1h00m
Z4 1h15m
Z5 1h30m
Z6 1h45m
Z7 2h00m
Z8 2h00m
Z9 2h15m
Z10 2h30m
Z11 3h00m
Z12 3h00m

O tempo é contado entre a primeira validação (antes de entrar no veículo, no caso do metro e do comboio, ou dentro do veículo, no caso dos autocarros) e a última validação. Vamos a um exemplo. Do centro da Póvoa de Varzim até à Ordem da Trindade, no Porto, para uma consulta no médico. O título de transporte necessário é o Z6, disponível durante 1h45. Este é o percurso sugerido pelo TransportesPúblicos.pt:

Capturar

Percurso proposto para a viagem entre a Póvoa de Varzim e a Trindade, no Porto

O utilizador deve validar o Andante antes de entrar no metro, na Póvoa. Chegado ao Porto, deve sair na estação da Trindade, tendo passado já 54 minutos da validação. A consulta é rápida, e ao sair verifica que passaram apenas 80 minutos desde a validação, na Póvoa. Ao validar de novo na estação da Trindade verifica que faltam ainda 25 minutos para o fim da validade do título. Embarca no primeiro metro que lhe aparece no sentido certo (neste caso, um veículo para o Senhor de Matosinhos) e telefona a um amigo a combinar um na estação Casa da Música. Tem uma prenda para lhe dar. Sobe ao nível da rua, dá ao amigo o que lhe tinha prometido e volta a validar. 10 minutos restantes no título. 5 minutos depois, entra no veículo da Linha B com destino à Póvoa de Varzim.

Note-se que o utilizador irá realizar grande parte da viagem com o tempo do título esgotado. No entanto, como o validou antes do fim do tempo máximo, a viagem é legal. Para ir da Póvoa de Varzim ao Porto (e voltar) gastou 2,70 euros. E ainda teve tempo para uma consulta no médico e um encontro com um amigo.

Note-se também que se o metro para a Póvoa demorasse mais do que 10 minutos a chegar, a viagem seria válida na mesma, pois a validação foi feita dentro do tempo máximo permitido.

  • Ir num Z e voltar noutro

Uma ‘trica’ bastante comentada dentro da rede Andante é a diferença de títulos entre a ida e a volta na mesma viagem. A título de exemplo, tomemos a viagem de metro entre Pedras Rubras e o Hospital de São João. Ao consultarmos o guia de estações e de  títulos junto à máquina de pagamento, aparece indicado o Z4 para a viagem entre Pedras Rubras e o São João. Esta informação é correta, e se o utilizador comprar dois títulos Z4, contando já com a volta, poderá viajar sem qualquer problema.

No entanto, se antes de entrar no metro no Hospital de São João verificar o mesmo quadro, o título necessário para viajar para Pedras Rubras já é um Z3! Como é possível tal discrepância?

Ao contrário do que foi veiculado em alguns meios de comunicação, este não é um ‘defeito’ da rede Andante, mas antes uma característica da mesma. Não sendo situação única, é bastante comum, apesar de estar longe de constituir a regra. No seguinte quadro vê-se o exemplo do percurso do metro (representação esquemática):

zonamento 3-Work (17)

Verde é origem, vermelho é destino, laranja é transbordo

Percebe-se que o percurso entre a Maia e o São João obriga a um transbordo na Trindade. Ora todas as zonas por onde se circula são cobradas, e como as zonas são calculadas em função da origem da viagem, este é o mapa tarifário a considerar:

zonamento 3-Work (18)

Verde é origem, vermelho é destino, laranja é transbordo

No regresso, apesar de se passar na mesma pela Trindade, o mapa gerado pela origem no São João é diferente do primeiro, e por isso a viagem sai mais barata:

zonamento 3-Work (19)

Verde é origem, vermelho é destino, laranja é transbordo

Assim sendo, um utilizador mais experiente pode usufruir deste ‘desconto’. No entanto, um utilizador menos precavido que comece a sua viagem no São João e se dirija a Pedras Rubras, comprando para o efeito dois Z3, pode ser multado, pois o Z3 é o título válido na ida, mas na volta tem de utilizar um Z4.

Note-se que, se o percurso for feito, p.e., de autocarro, a realidade pode ser bem diferente, por o percurso diferir.

  • Clickz

Quando o Andante foi introduzido, só se podia mudar o tipo de título de viagem (de Z2 para Z4, p.e.) quando os títulos esgotassem no cartão. Para colmatar esta limitação foi introduzido o Clickz. Tomando como exemplo um Andante Azul carregado com 3 Z2 e necessitando de um Z4 para uma viagem mais comprida, é possível carregar um Z4 sobre os títulos existentes, sabendo sempre que é o último título carregado que é validado. Depois do Z4 perder a validade, os títulos Z2 voltam a estar disponíveis. Esta opção também é válida para o Andante Gold.

  • Z1

Outra questão não tão discutida mas certamente ainda mais relevante para o dia-a-dia dos utentes dos Transportes Públicos na Área Metropolitana do Porto é a inexistência do Z1, tanto para o bilhete simples como para o passe. O título mais barato que existe é o Z2. A razão de ser desta ‘originalidade’ pode ser histórica – quando o sistema tarifário foi introduzido, apesar de intermodal, foi pensado essencialmente para o metro, meio de transporte para distância maiores. A partir do momento que passou a englobar massivamente outros meios de transporte, nomeadamente os autocarros da STCP, a necessidade dum título para viagens de menores distâncias passou a ser mais evidente, nomeadamente nos passes, algo que analisaremos na próxima e última publicação.

  • Publicações anteriores

1 – O funcionamento do sistema 

2 – As zonas

3 – Do bilhete simples ao passe de mês

2 Comments

  • Manuel Maria Correia 27/11/2013 at 15:03

    Em toda esta explicação, não consegui perceber uma coisa:
    Diz-se que de Pedras Rubras ao Hospital de S.João é um Z4, mas logo na volta é um Z3… Porquê? Se as zonas por onde passa são exactamente as mesmas?
    Poderiam esclarecer melhor essa anomalia de situação?
    O Português é mesmo complicado…
    Obrigado!

    Reply
    • Nuno Gomes Lopes 27/11/2013 at 18:52

      Boa noite, caro Manuel Maria. Como explicámos no texto, esta situação não é uma anomalia mas uma particularidade do sistema. Se utilizar um autocarro direto para viajar entre Pedras Rubras e o São João esta situação não se coloca, tanto na ida como na volta. Agora o que acontece é que, utilizando o metro, é necessário o transbordo na Trindade, o que muda o mapa da viagem. Explico-lhe melhor, passo a passo. Quando se conta as zonas a comprar calcula-se qual o ponto mais distante por onde o metro irá passar. Começando a viagem em Pedras Rubras, neste caso o ponto mais distante é a Trindade, a caminho do São João. Por isso o Z4. Já partindo do São João a zona mais distante para onde se vai viajar é Pedras Rubras (Z3). Ao comprar um Z3 e validando-o no São João, e como as zonas são concêntricas em relação ao ponto de partida, a Trindade já está incluída.

      Agradecemo-lhe a questão levantada. Com os melhores cumprimentos,

      Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published.