Análise da oferta

Jan 28 2014

Análise da oferta

No artigo anterior dei exemplos de como a informação estatística, armazenada pelo TransportesPúblicos.pt, é relevante para que os operadores (mas também os reguladores) conheçam as necessidades dos utilizadores de forma a melhorarem os seus serviços. No artigo de hoje vou exemplificar de que forma outro conjunto de dados pode ser utilizado pelos operadores para planearem e analisarem a sua área de cobertura e a eficiência da sua rede e para os reguladores controlarem o serviço prestado.

Como primeiro exemplo temos uma vista parcial da cidade do Porto na qual se encontra sobreposta uma camada colorida onde cada tom de cor representa tempo de viagem (em minutos) a partir do marcador verde localizado no centro do Porto. Os dados provêm da informação das linhas disponíveis no TransportesPúblicos.pt nesta zona, que no entanto, não representam (ainda) todas as linhas existentes. O código de cores é o seguinte:

Color_code

Explicitamente, os tons de verde indicam os locais onde alguém localizado no local do marcador verde se pode deslocar caminhando ou combinando transportes públicos em menos de 30 minutos. Os tons azuis entre 30 e 60 minutos, amarelos entre 60 e 90 e assim sucessivamente.

Analyst - Porto - Public Transport in Portugal

(clique na imagem acima para ampliar)

Analisando a imagem, e tendo em conta que esta é uma representação parcial que inclui apenas as linhas disponíveis no TransportesPúblicos.pt vemos que toda a zona no interior da VCI (IC23 ) encontra-se a uma distância inferior a 30 minutos do centro.  A uma deslocação inferior a 30 minutos estão também algumas zonas de Gaia, Rio Tinto e Ermesinde. Vemos ainda que a zona da Foz e de Matosinhos, bem como o Aeroporto são alcançáveis em menos de 1 hora. Enquanto que para atingir algumas zonas de Leça e Lavra podemos necessitar de pelo menos 90 minutos.

(clique na imagem acima para ampliar)

Se expandirmos o mapa para incluir mais zonas vemos agora que o centro da cidade de Braga é alcançável em menos de 120 minutos. Claro que quando centramos o marcador no Porto, estes são os resultados espectáveis, uma vez que as redes de transportes estão, em geral, orientadas para transportar passageiros entre o centro e as periferias. Mais interessante é, por isso, entender a que distância temporal diferentes locais periféricos estão uns dos outros. No exemplo seguinte, deslocamos o marcador para o aeroporto do Porto. Deste local, e tendo em conta apenas as linhas disponíveis no TransportesPúblicos.pt vemos que além da zona circundante ao aeroporto que pode ser alcançável em menos de 30 minutos, o centro do Porto e de Matosinhos encontram-se a menos de 60 minutos e a Foz e algumas zonas de Gaia a mais de 60 mas a menos de 90 minutos de distância.

(clique na imagem acima para ampliar)

Analisando a imagem abaixo da ilha da Madeira, vemos que São Martinho, São Roque ou São Gonçalo são alcançáveis em menos de 30 minutos. Por outro lado, Monte, Caniço, Camacha ou Curral das Freiras estão a mais de 30 mas a menos de 60 minutos.

 Analyst1 Public Transport in Portugal

Se expandirmos o mapa para incluir mais zonas da ilha vemos que para alcançar Santana ou Santo António da Serra um utilizador tem que contar com pelo menos 120 minutos e mais do que isso se quiser chegar a Machico ou a São Jorge. Claro que quando centramos o marcador na cidade do Funchal, estes são os resultados espectáveis, uma vez que as redes de transportes estão, em geral, orientadas para transportar passageiros entre o centro e as periferias. Mais interessante é, por isso, entender a que distância temporal diferentes locais periféricos estão uns dos outros. No exemplo seguinte, deslocamos o marcador para o aeroporto da Madeira. A dispersão de cores é agora diferente e podemos constatar que o tempo necessário para chegar do aeroporto a Machico é quase o mesmo que para chegar ao Funchal, embora as distâncias sejam diferentes.

Public Transport in ortugal

Com a mesma ferramenta, podemos analisar também o impacto de certas linhas ou de certos operadores na redução do tempo de deslocação necessário. Para um terceiro exemplo colocamos o marcador na zona de Santa Maria da Feira, especificamente em Fiães.  Com esta definição, vemos que a Póvoa de Varzim se encontra a menos de 120 minutos (tons vermelhos) enquanto que o tempo necessário para chegar Trofa é superior a isso (tons cinza). Vale a pena ressalvar que estes resultados são apenas exemplificativos uma vez que não estão ainda incluídos no TransportesPúblicos.pt todos os operadores da região.

Public Transport in Portugal

(clique na imagem acima para ampliar)

Para analisarmos o impacto do Metro do Porto no tempo necessário para atingir a Póvoa de Varzim, podemos repetir a análise, removendo a linha B deste operador (ver figura seguinte). Sem esta linha, nesta simulação, as deslocações para a Póvoa são agora apenas asseguradas por uma carreira da Auto Viação do Minho.

Public Transport in Portugal

(clique na imagem acima para ampliar)

Observamos agora que os tons de vermelho desapareceram e que se alguns dos locais intermédios estão cobertos em tons de cinza, o tempo necessário para chegar à Póvoa está seguramente bem acima dos 120 minutos. Na verdade, está tão acima dos 120 minutos que está fora da escala que definimos inicialmente.

Para terminar este artigo, o último exemplo ilustra a resposta a uma questão diferente. Vamos supor que um utilizador quer efectuar uma viagem desde o marcador verde até ao marcador vermelho. Ele ou ela sabe que vai partir as X horas e necessita de estar as Y horas no destino e pergunta-se se pode parar para tomar um café e quanto tempo tem para tomar esse café.

Esta pode parecer uma pergunta estranha, mas no planeamento de uma rede de transportes numa cidade que tenha os interesses dos utilizadores em consideração, é importante. Por exemplo, ao deslocarem-se de uma zona predominantemente de trabalho (p.ex. zona industrial) a partir das 18:00h para uma zona residencial onde pretendem estar pelas 20:00h para preparar o jantar, a rede de transportes pode ser desenhada  de forma a que os utilizadores tenham tempo suficiente para fazer as suas compras na zona comercial da cidade antes irem para casa, permitindo dinamizar os centros urbanos.

Public Transport in Portugal

(clique na imagem acima para ampliar)

No exemplo, simulamos um utilizador a sair de Gualtar com destino à estação de caminhos de ferro de Braga e o código de cores é o seguinte

Color_code_Hager Public Transport in Portugal

ou seja, as zonas mais claras representam zonas onde o utilizador terá mais tempo livre (porque a frequência entre veículos é maior, ou porque existem mais opções para chegar ao destino) e as mais escuras onde terá menos tempo disponível se pretender chegar no horário pretendido ao destino.

Embora os exemplos sejam essencialmente académicos, as análises e as questões são válidas para casos gerais. Atrair mais utilizadores para os transportes públicos passa também pela melhoria da qualidade dos serviços que para ser atingida necessita de dados e métricas que permitam conhecer melhor as dinâmicas da oferta e da procura.

Leave a Reply

Your email address will not be published.